Mercado de cosméticos: acompanhe as tendências internacionais

10 minutos para ler

O mercado de cosméticos pode ser chamado de resiliente. Afinal, dentre os outros setores, esse tem sido o que mais cresce todos os anos no Brasil, mesmo diante das dificuldades impostas pela crise econômica atual e redução do poder de compra dos consumidores.

Ainda que o cenário seja favorável, conhecer as tendências internacionais que envolvem o mercado de cosméticos é imprescindível, sendo um diferencial para que empresas se destaquem no ramo. Pode-se dizer que a área de cosméticos é um mercado de tendências. Ou seja, sem seguir o que há de mais atual, é muito mais difícil prosperar.

Por esse motivo, o indivíduo que atua em produtos cosméticos precisa estar sempre atualizado e inteirado acerca das novidades e previsões, seja participando de feiras de negócios, seja lendo artigos e conteúdos relacionados ao tema. Assim, é possível se adaptar a novas situações, atendendo aos interesses dos consumidores e, então, ter bom retorno.

Para que você entenda melhor que novidades são essas, continue a leitura e confira o que um especialista no assunto tem a dizer sobre esse mercado de tendências e porque é importante acompanhar o que há de mais inovador para ter um negócio competitivo e alinhado às transformações.

Números do mercado de cosméticos

Segundo Carlos Praes, especialista nessa área, o mercado de cosméticos, de higiene e de produtos para beleza sofreu um leve impacto em sua pungência regular. Normalmente, observava-se crescimento em percentuais de dois dígitos, nos melhores anos, sendo que, até 2015, havia um ciclo de 23 anos de crescimento ininterrupto.

No entanto, em função da crise que impactou o Brasil, esse segmento econômico passou a crescer em proporções menores. O especialista lembra que, em 2017, por exemplo, o PIB brasileiro cresceu 1%, sendo que a indústria geral alcançou 0,2%, ao passo que o mercado de beleza e cosméticos chegou a 2,8%. As previsões feitas no fim de 2018 eram de que o crescimento seria na ordem de 5,5%.

Ou seja, mesmo em um cenário não tão favorável à economia brasileira, esse mercado evoluiu mais do que a média geral. Além disso, Praes destaca que, dentro dessas estatísticas, há casos de empresas voltadas para produtos cosméticos que tiveram um progresso superior ao observado no conjunto de todas elas. Isso revela que, ainda em períodos não tão prósperos, é possível que o empresário encontre um viés, invista nele e se destaque.

O que impactou de forma positiva o mercado, segundo Carlos Praes, foi a simplificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no registro de produtos, o que gerou maior celeridade nos lançamentos.

“Isso só não acontece para quatro classes: alisantes capilares, gel para mãos, protetores solares e repelentes. Esses produtos são classificados com registro de análise. Então, eles demoram um tempo maior para que a Anvisa faça essa análise de documentação. Todos os outros produtos aplicados para cosméticos são registros simplificados. A empresa registra na data de hoje, por exemplo, e daqui 48 horas ela já pode produzir e comercializar os produtos”, explica o especialista.

Tendências do setor de cosméticos

Quanto à realidade atual das vendas e projeções, o especialista Carlos Praes destaca que está havendo um avanço dos produtos masculinos, que fizeram com que as empresas se diferenciassem. Junto a eles, estão os itens para o cabelo e a cosmética ligada a tratamentos faciais. Exemplos disso são as máscaras, que têm sido bastante desejadas pelos consumidores. Sendo assim, esses setores estão evoluindo a pleno vapor.

No que tange à fórmula, ele ressalta que o consumidor tem preferido produtos em aerosol e bisnagas. Quando são lançados no mercado, a preferência está relacionada ao fator de agregação de valor ou na facilidade no uso.

A embalagem também tem sido um aspecto relevante na escolha dos compradores antes de consumir. A esse respeito, Carlos destaca a importância de se ter uma visão mais abrangente, pois “não adianta uma empresa lançar um produto inovador, se ele não estiver em uma embalagem condizente com o impacto da inovação”.

Dessa forma, não bastam os ingredientes que determinado item de consumo tenha em sua composição, sendo importante também que o recipiente que o armazena apresente design moderno e opções versáteis para transporte, além da sustentabilidade.

Esse mercado de tendências indica que não basta criar embalagens encantadoras. Elas também precisam ser eficientes, práticas e, principalmente, se anteciparem às necessidades do cliente, melhorando sua experiência no uso do produto.

Entre os exemplos de embalagens que reúnem praticidade e inovação está o batom com tampa retrátil. Seu design permite que ele seja aberto com apenas uma mão, o que o torna sob medida para mulheres que não têm tempo a perder, retocando o batom enquanto acompanham notícias pelo celular, por exemplo.

Também são tendência embalagens que mesclam componentes da fórmula do produto só na hora de aplicar. Essa característica faz com que se preserve o poder de ação de cada ingrediente.

Outro ramo em crescimento é o de produtos veganos e sustentáveis. Logo, a não utilização de substâncias de origem animal e que não causem grandes impactos ambientais tem sido uma forte tendência. Também estão em ascensão os bens de consumo que não utilizam testes em animais no processo de produção, apesar de grande parte da indústria já não empregar essa prática na atividade de fabricação.

Além disso, observa-se interesse cada vez maior em produtos alinhados com a personalização, que ofereçam uma experiência de uso. Esse é o caso de aplicativos para celular que permitem testes de produtos ou que orientam o produto ideal para cada tipo de pele, por exemplo.

Os microinfluencers também têm impactado esse mercado. Devido à rede digital, ao fazerem postagens consumindo determinados produtos, eles promovem aumento exponencial das vendas. Para exemplificar, o especialista cita o case das influencers irmãs Kardashians, as quais alavancam o mercado ao divulgarem um item e fazem com que ele esgote nas prateleiras.

Para usar os microinfluencers a favor da estratégia, muitas marcas têm trazido esses profissionais para perto da empresa, dando prioridade para eles na hora de testar lançamentos e oferecendo kits exclusivos de produtos, por exemplo. Ao adotar essas ações, fortalecem a conexão com o público e fazem com que ele recomende a marca de cosméticos em suas redes sociais.

Apostar em influenciadores ainda se revela uma boa estratégia, mas o crescimento de profissionais com um número menor de seguidores, mas com engajamento alto tem se revelado uma tendência importante, que não pode ficar de fora do radar.

Expectativas para os próximos anos

Quanto à composição dos produtos, diante da escassez de recursos naturais, dentre os quais se destaca a água, a previsão é de que as empresas utilizem menos esse recurso específico. Isso até mesmo para atender aos anseios da sociedade no que se refere à economia desse insumo que em breve será considerado de luxo.

Considerando o fortalecimento de uma cultura que preze pela saúde e pelo bem-estar, verifica-se que se sobressairá a empresa que se atentar a isso e promover parcerias com a indústria de alimento, bebida e lazer. O intuito é criar variantes de produtos que estimulem um estilo de vida saudável. Para isso, ingredientes deverão se complementar, ajudando o consumidor a alcançar esse objetivo.

O crescimento da tendência da fluidez de gênero é outro aspecto que deve crescer nos próximos anos. Nesse sentido, é importante que as marcas de cosméticos procurem ir além do investir na celebração da diversidade e, sim, entender as necessidades desse novo cliente e se comunicar com ele da melhor forma.

O mercado de beleza genderless ou, em português, sem gênero, oferece algumas possibilidades. Investir em linhas de cosméticos versáteis, que possam ser usados da forma que a pessoa achar melhor, é uma forma de abraçar essa tendência.

Outro ponto de atenção é a variedade de canais. Com um número cada vez maior de pessoas usando o celular para fazer suas compras, é essencial investir em estratégias integradas, que conjuguem um ou mais canais de venda.

Necessidade de estar atento às novidades

Assim como em diversos outros segmentos econômicos, estar atento às novidades é uma maneira de garantir espaço e se destacar em determinado ramo. Naturalmente, aquilo que é novo desperta o interesse dos consumidores.

Para colocar essa estratégia em prática, Carlos Praes destaca a utilidade dos algoritmos e dos softwares que recomendam vendas. Pode ser feito por meio de aplicativos para mapear os atributos do consumidor e de inteligência artificial como forma de desenvolver produtos mais avançados.

De acordo com dados da Euromonitor, até 2023 a expectativa é que 76% das pessoas estejam conectadas. Ou seja, cada vez mais, o ato de comprar se tornará uma experiência pessoal, única para cada indivíduo.

No futuro, os apps de celular se tornarão assistentes pessoais de compra do usuário. Entre as principais funcionalidades estão dar informações sobre produtos, pesquisar preços e mostrar o que as outras pessoas acham sobre determinado item. Algo que já é possível, mas que tende a crescer nos próximos anos.

Outro ponto a ser considerado é que com a aproximação das redes sociais da venda online, é possível aproveitar a interação para fazer vendas mais customizadas, atendendo às necessidades específicas da pessoa.

Ficar atendo às novidades é uma forma de não só atender ao consumidor da forma que ele espera, mas, também se manter competitivo nesse mercado de tendências. Adotar essas estratégias pode não só alavancar o crescimento do negócio, como melhorar processos e otimizar a imagem da empresa no mercado.

Sendo assim, atuar nesse mercado de tendências significa inovar e seguir as inovações que despontam. Afinal, a força do setor de cosméticos é evidente à medida que resiste a crises econômicas, mantendo o seu crescimento contínuo, mesmo que em menor escala atualmente.

Tudo isso se justifica no fato de que consumidores têm demonstrado cada vez mais interesse por produtos saudáveis, de beleza e de higiene pessoal. Então, para aproveitar o cenário favorável a esse segmento, é fundamental entender os interesses desse público, acompanhá-lo e, dessa forma, atendê-lo.

Gostou deste artigo sobre o mercado de cosméticos? Para atuar nesse setor e estar em evidência é preciso se atualizar constantemente, lendo a esse respeito, assim como participando de feiras de negócios. Siga a gente no Facebook para ter acesso a mais informações como essas e let’s talk!

Posts relacionados

Deixe um comentário