É comum notarmos, cada vez mais, o aparecimento de marcas independentes, que se posicionam como sustentáveis, naturais e outras características que as tornam uma alternativa para o mercado convencional de higiene e beleza. São as chamadas indie brands.

Esse mercado vem crescendo a cada ano e a tendência é de que ele se expanda ainda mais, principalmente pelo apelo em relação ao cuidado com o meio ambiente, questões sociais, testes em animais, entre outras coisas.

Neste artigo, vamos explicar o conceito, mostrar as principais indie brands do mundo e como elas têm revolucionado o mercado da beleza. Para isso, convidamos Giulio Peron, CEO da CASA feito brasil para bater um papo sobre o assunto. Vamos lá?

O que são indie brands?

Indie brands podem ser definidas como marcas independentes e que se posicionam como uma alternativa ao mercado tradicional de itens de higiene e beleza. A proposta é fugir dos padrões ditados pelos grandes grupos varejistas.

Então, em resumo, pode-se dizer que elas são fundamentadas em 3 pilares básicos:

  1. marcas independentes;
  2. geridas por seus fundadores;
  3. apostam em nichos de mercado (como produtos orgânicos, veganos, cosméticos naturais, entre outros).

Quando falamos desses tipos de produtos, também podemos incluir os cosméticos masculinos, que vêm ganhando mais espaço no mercado.

Também vale destacar que a comercialização dos produtos dessas marcas é muito focada em Marketing Digital, que facilita a divulgação para diversas pessoas em qualquer lugar do mundo — falaremos mais sobre isso adiante.

O contexto em que elas surgiram e por que são tão atrativas para os consumidores

Giulio acredita que “a tecnologia permitiu que as iniciativas que estavam nas salas e garagens dos fundadores ganhassem não só forma, mas o mundo. As redes sociais permitiram que pessoas de diferentes lugares do país se conectassem a outras com as mesmas ideologias e hábitos de consumo”.

Com isso, uma demanda por produtos que antes parecia pequena começou a ganhar visibilidade, gerando uma necessidade para o mercado. Por isso, a presença massiva na internet: para conectar o maior número de pessoas que compartilham dos mesmos ideais — é aí que o Marketing Digital se faz necessário.

“Como CEO de uma empresa com duas marcas independentes, acredito que somos atrativos porque apresentamos algo diferente ao mercado e que está diretamente conectado com os anseios das gerações Y e Z. Pois são marcas preocupadas com a sustentabilidade, respeitando o meio ambiente e as pessoas, e que geram riqueza no contexto que estão inseridas pautas sempre presentes nessa geração que logo terá o poder de compra em mãos”, acrescenta.

A relação das indie brands com a sustentabilidade

Uma das principais preocupações das marcas independentes é com a sustentabilidade. São empresas que estão diretamente conectadas com o seu público-alvo e com a comunidade.

Elas têm o desafio de entregar um produto eficaz, com preço justo e causando o menor impacto ao meio ambiente, seja na apresentação disruptiva, seja em embalagens recicladas, de fontes renováveis e responsáveis.

“Aqui na CASA, esses conceitos estão enraizados na nossa cultura. Nós somos veganos desde o início da feito brasil, em 2004, toda a nossa produção é artesanal para economizar recursos naturais de água e energia elétrica e apenas compramos ativos de fornecedores que respeitam a natureza”, ressalta Giulio.

O uso de tecnologia e inovação das indie brands

Giulio afirma que a CASA feito brasil, está sempre conectada, seja nas tecnologias de marketing, seja na busca pelas tecnologias de ativos para entregar soluções cada vez mais alinhadas com a demanda dos clientes.

“Temos como principal aliado os nossos fornecedores e parceiros, que veem nas nossas marcas a oportunidade de aplicar as mais recentes inovações de ativos. Temos a ousadia em nosso DNA e queremos sempre oferecer soluções completas aos nossos clientes”, diz.

A contribuição do marketing para valorizar esses produtos

O Marketing Digital é o que move as indie brands. Ele é o canal que liga os consumidores aos produtos.

Então, as demandas que antes pareciam isoladas em um pequeno grupo de pessoas ganharam mais proporção com o Marketing Digital, conectando-se a outros grupos com necessidades semelhantes.

“A nossa segunda marca, QUINTAL Dermocosméticos, já nasceu nesse universo e aposta nas ferramentas de marketing para se posicionar no mercado. Criamos uma marca de skincare facial com eficácia comprovada com ativos naturais e orgânicos, 100% vegana e cruelty free. Hoje, está presente nos maiores marketplaces do país e o faturamento do e-commerce próprio cresceu 142% em 2019”, destaca Giulio.

A marca se destaca por entregar produtos multifuncionais que respeitam e valorizam a beleza e o ritmo de cada pessoa. No ano passado, a inovação se destacou novamente com a apresentação do Blemish Blur 2.0 Bálsamo Biomimético no mercado. Trata-se de um novo conceito de bb cream, com proteção solar e certificado natural.

Ainda tem a Bruma Restauradora Energizante, certificada orgânica com ativos que restauram e energizam a pele, protegendo dos efeitos da luz azul de telas e smartphones.

Quais as principais indie brands do mundo?

A internacional com maior representatividade é a Glossier, que já recebeu agora vários aportes em rodadas de investimentos. Giulio afirma que as marcas mais representativas do país são a CASA feito brasil, Lolla Cosmetics e Dr. Jones.

Como as indie brands chegaram para revolucionar o setor de beleza?

Em uma pesquisa divulgada em outubro do ano passado pela Factor-Kline, as indie brands apresentaram crescimento médio de 40%, enquanto a indústria de beleza “convencional” avançou pouco mais de 2%.

Ademais, a transformação está na oferta de itens diferenciados e exclusivos. Além dos produtos, as indie brands entregam um conceito, uma história e um sentimento. Algo novo e diferente do que está nas prateleiras. Na verdade, o produto está além delas, está no estilo de vida do cliente.

“A feito brasil, nossa marca com 16 anos de estrada, foi pioneira nesse tema ao trazer para as embalagens dos produtos a diversidade cultural e de fauna e flora do nosso amado país, com aromas que proporcionam uma verdadeira experiência de banho. Sem contar as coleções sazonais, que valorizam o momento e a exclusividade”, ressalta Giulio.

Nós podemos esperar um movimento cada vez maior por parte das indie brands, principalmente pela relação que elas têm com a sustentabilidade, o cuidado com os animais e uso de matérias-primas orgânicas — aspectos que têm atraído um número maior de consumidores ao longo do tempo.

Gostou deste artigo e quer receber outros conteúdos sobre as indie brands, tecnologia e novos produtos cosméticos? Então, assine a nossa newsletter e let’s talk!

 

 


[avatar user=”talk” size=”thumbnail” align=”left”]Content Team[/avatar]

Escreva um comentário